Páginas

sábado, 20 de novembro de 2010

Era uma vez...

Era uma vez uma menininha, ela tinha um sonho...e o sonho aconteceu. Mas o sonho cresceu e a menininha não conseguiu crescer junto...a menininha sentou na beira da calçada e começou a chorar...chorou porque não entendia como um sonho que começou pequeninho podia ter crescido tanto e escapado de suas mãos...Enxugando as lágrimas a menininha levantou, pensou em uma forma de pegar o seu sonho de volta, mas aí deu-se conta que não era preciso resgatá-lo, era necessário deixa-lo livre e criar novos sonhos...Então a menininha cresceu, chorava menos agora e projetava sonhos todos os dias...Aproximaram-se dela pessoas que também sonhavam, assim como ela...A fábrica de sonhos cresceu! As pessoas começaram a comprar sonhos, a pedir sonhos, a pagar sonhos...A menininha, agora quase adulta, gostava da ideia e se divertia, vendia os sonhos e isto a deixava imensamente feliz...O tempo passou, e as pessoas que aproximaram-se da menininha e que também tinham sonhos,começaram a sonhar coisas diferentes, e estes sonhos diferentes, começaram a deixar a menininha triste novamente. Mas ela preferiu engolir as lágrimas e continuar, afinal o grande sonho, era sonhar juntos,e parecia, que todos na sua fábrica faziam isso.
Ah,mas ela estava tão enganada!
Cada um na sua fábrica tinha um sonho diferente,muito diferente do dela que cresceu lá no inicio e foi embora. Triste a meninha, decidiu fechar a fábrica e recomeçar tudo de novo. Lá estava ela de volta, na calçada chorando,sozinha...
De repente, numa árvore próxima a menina reconheceu seu sonho antigo, todo enredado na árvore, velho, mas ali, o tempo todo perto dela.Ele nunca tinha ido embora,ela é que não o enxergava mais...Passava todo dia por aquela árvore para ir a fábrica e nunca tinha parado para observar com calma.
E a menininha riu...riu como a muito não ria...subiu na árvore e agarrou seu sonho nos braços...
O sonho inicial estava ali e era preciso agarrá-lo, amá-lo, cuidá-lo, mesmo sozinha...
Feliz a menininha foi correndo para casa, pulando amarelinha, cumprimentando todos por quem passava. As pessoas não entendiam o que uma menina com um monte de "tralhas" nas mãos podia deixar escapar tamanha felicidade.
Aquela noite a meniniha dormiu tranquila,tão tranquila com seu sonho antigo do ladinho da sua cama que novos sonhos começaram a aparecer...E eram tantos...

A menininha? A menininha sou eu, Lisi Berti.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Palavras de sábios amigos...

Coloco aqui algumas importantes mensagens que recebi de aniversário, de grandes amigos, alunos, colegas, mas que me fizeram ter certeza de quem sou e como estou me projetando ao mundo. O que eu quero, onde quero chegar e com quero estar a meu lado. Nascemos e morremos sozinho neste mundo e isso não muda! Desapego!Temos um curto período de tempo por aqui e não estamos a passeio, talvez nem a trabalho, mas damos tanto trabalho tantas vezes...


Amigo Alberto da Colômbia (um irmão para todo o sempre):
Recuerdo ahora que todo es para bien... que la desición es un acto de muerte, que toda crisis es cambio y que el cambio siempre será necesario... el universo nos invita siempre a amarnos a nosotros mismo, tambien nos dice que amemos al proximo como a nosotros mismos... las sepraciones son solo un espacio un poco más amplío, siempre estaremos en el corazón de quienes pasan por nuestras vidas y siempre estarán en nuestras vidas, porque estimo, que tenemos muchas más vidas; todos aquellos seres unos con más luz que otros, pero siempre estarán...

!Pienso que es para bien¡ porque ahora los puedes amar sin apegos, así como tu y yo, sin apegos, pero bien juntitos, sabiendo que estamos bien y llenando de vida este universo que nos corresponde...
Recuerda que aquí en mi corazón y en mi hogar tienes tu hogar, esto es real, aquí, con la dificultades como en todas partes del mundo, tambien hay mucho por hacer, así que sin dudar te espero, algunas veces necesitamos la distancia geográfica para entender otras razones de la vida... recuerda que el silencio es bien recibido, tambien el grito...
Bien sabes que te quiero,
ABRAZOS
P.D : LOS SUEÑOS ESTAN MAS CERCA DE LO QUE IMAGINAMOS.

Querida aluna Regina:

Vaquinha queridíssima! Bah! O que te escrever no teu niver ... estou pensando nisto desde ontem, ainda mais depois de ler o teu blog.
Parabéns muitas felicidades, não dá!!!! Definitivamente não, ainda mais depois do que li.
Sabe que gosto muito de ti, te admiro como pessoa, te acho super talentosa, generosa, sincera - seja sempre sincera comigo, por favor. Vou sentir a tua falta neste final de ano. Contigo eu descobri o gostinho de atuar, me apaixonei .... nunca vou esquecer isto! Vou ser eternamente grata a ti!
Vaquinha, tu é poderosa!!! Nunca deixe de reconhecer isso!!!!
A única coisa que pensei em escrever foi:
" Só uma vontade séria, um esforço persistente
podem conduzir-te à meta. Pois a sorte, essa jamais constitui um mero acaso; a vida, à tua frente, só devolve o que lhe deste - além disso, nada mais" Goethe
Escrevi na capa do meu caderno de teatro.
Desejo-te: força, uma vontade verdadeira para conquistar o que é importante pra sua vida. Sabedoria, que os anos te tragam cada vez mais sabedoria. E luz, que faça tudo brilhar. Você merece!!!!
beijo enorme no coração.

Postei estes dois aqui , porque um está do outro lado do mundo e a outra bem pertinho...
Duas realidades diferentes...Ambigüidade! Somos assim! Metade, difícil estar inteiro, ou por inteiro.
Começo a juntar os pedacinhos que desprendi maldosamente de mim...juntá-los não para colar, mas para jogar fora, reciclar...quero coisas novas...pessoas novas...gente que me acrescente...gente como eu...gente como a gente...Quero palco e plateia...figurino e personagem,texto e intenção.
Mas querer não basta é preciso ir pegar o que é seu, só seu! Mas para pegar é preciso andar, dar os primeiros passos...Já comecei a andar mais rápido, cansei da lentidão do tempo perdido, das palavras mortas na bocas dos que eu tanto admirei...E não amigos, não levei fora, não briguei com ninguém...minha sanidade de dramaturga voltou...retomo o que mais gosto de fazer depois de atuar, escrever, escrever, escrever...
BOA NOITE, MEU AMOR, DURMA UM SONO TRANQUILO, DURMA CALMO, PROTEGIDO, PELO ANJO DO SENHOR...

domingo, 14 de novembro de 2010

Vivemos e morremos a cada dia

Cada dia que passa é como se fosse um teste, somos testados quanto a nossa paciência em conviver com pessoas que não aguentamos mais e temos que manter o controle, somos testados a o quanto realmente queremos correr atrás dos nossos sonhos ou deixá-los passar por entre nossos dedos,somos testados quanto ao nosso caráter, virtudes,se somos frágeis aos nossos medos ou se os enfrentamos de frente...
Vivemos e morremos a cada dia...
Não temos certeza de nada, cada minuto pode ser o minuto pleno de alegria ou um minuto de incerteza onde jogamos fora nossas chances por tolices. Tolices que nos fazem sofrer por horas, meses, anos a fio... sofremos por tão pouco, nos desgastamos com pouco,desacreditamos por pouco, perdemos as vontades por pouco,deixamos de ser o que realmente queremos ser muitas vezes, por tão pouco, ou quase nada!
Completo dia 16 de novembro 34 anos! Aprendi tanto neste último ano, "apanhei" tanto da vida, levei tanto na cara com meu orgulho comedido, me perdi de mim por vários momentos, deixei de lutar pelo que acreditava porque assim seria melhor para os outros e me esqueci, completamente e infantilmente de mim.
Meus anseios, minhas vontades, minha essência...Deixei-me levar. Foi por pouco tempo, mas o suficiente para quase deixar a vida me estranhar e me jogar no destino como um ser humano sem nada, vazio,fútil e inútil.
Fui ao fundo do meu poço quebradiço de lama, quase me afoguei e foram poucos, bem poucos que me estenderam a mão...
Queria de presente um ano de glória, de sabedoria, de discernimento e que eu me encontre no meio das perdas dolorosas que tive...
No amor, pedi, recebi e para ficar ao lado de alguém esqueci dos meus vlaores. Quase me anulei.Mas a sanidade voltou a tempo de remediar e conviver bem com a solidão, tirando o que ela tem de melhor: aprendizado!
No trabalho me distanciei do que mais amo, atuar...Estive perto do palco o ano todo, mas não como eu queria, ou achava que devia. E isso doeu!
Sem válvula de escape, me perdi em conceitos, em preceitos, em frases feitas de amigos desnorteados que de amigos não tinham nada, me deixei levar pela agonia interna, pela confusão de objetivos pela falta de foco onde eu mais devia focar.
Vivi e morri nos meus 33 anos a cada minuto. Mas os 34 estão aqui,batendo em minha porta! Imploram para entrar, como boa anfitriã os recebo de braços abertos.
Mas quero eles bem vividos, bem pensados, bem medidos e comedidos quando necessário.
Quero renovação! Renovar amigos, trabalhos, contratos, amores, sabores, cores e gostos...
Quero viver mais e morrer menos no meu travesseiro neste novo ano de vida.
Plenitude!!
Eu me desejo o melhor! O melhor palco, o melhor trabalho, o melhor curso, a melhor viagem, o melhor beijo na boca, o melhor sexo, a melhor conversa jogada fora, a melhor cerveja, o melhor texto, a melhor ideia.
Eu quero, eu vou e eu já ESTOU!
Começo aqui a minha nova fase, digamos a fase realmente adulta. A mulher, a mãe, a guerreira, a amante, a professora, atriz, a Lisi Berti que poucos conhecem de verdade.
Parabéns! Este é o maior presente que eu mesma, poderia me dar: valorização e amor próprio!
A partir de agora faço um juramento para esta vida: Não me contentarei mais com pouco em nenhum setor da minha vida!
Quero viver mais e morrer menos a cada dia nos meus 34 anos!

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.