Páginas

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Eu ainda não entreguei os pontos...ainda!



Um dia para o Natal! Uma angústia profunda... Nunca foi uma época que eu gostei, nem quando criança pois temia o Papai Noel, depois cresci e comicamente fui trabalhar com vários deles, todos os anos na época de Natal, teatralmente. Esse natal de 2016 tem um gosto de tristeza, não há como fechar os olhos e comer peru se empanturrando de espumante sem pensar nas atrocidades que o mundo tem passado. A guerra na Síria, o atual presidente do país e toda a corrupção abusiva vindo à tona, nosso Estado do Rio Grande do Sul quebrado com um governador que extinguiu diversas fundações importantes... tem um cheiro podre no ar...talvez o "peru" queimou.
Há os que conseguem fechar os olhos e seguir na sua redoma de vidro, achando que são impenetráveis, que nada vai lhes acontecer, afinal eles tem dinheiro e abusam da arrogância para humilhar os outros.
Hás o que continuam postando cada ação do seu dia nas redes sociais, fingindo ser o que não são, os "carentes" em busca de curtidas e papos fúteis. Há os que argumentam e brigam por tudo e na verdade não sabem nada, há os politizados, que sempre tem um discurso ensaiado para tudo, o ano mal termina e eles já se preocupam em "como  vai ser?", "mudou o partido", "quem vai assumir tal pasta".
Ando sem paciência para isso tudo e triste também por presenciar isso tudo. O que fazer? Entregar os pontos, tomar rivotril, tornar-me apática, entrar no sistema corrupto, mentir, bajular? Como olhar minha filha dormir tranquila e feliz e pensar em toda a Guerra da Síria e em quantas crianças que como ela perderam a vida, ou nos pais que perderam e perdem seus filhos assim, "do nada", porque o país estava dando certo, porque é um dos únicos que o petróleo ainda era deles, gerenciado por eles. O jogo do interesse faz isso! Seres humanos matando seres humanos! Bolsos cheios, carro do ano, plástica, jatinho particular, namoradas 50 anos mais jovens (nada contra falo especialmente dos políticos)... Pra mim e muitos outros é difícil ver isso e não ficar tocado, cansado, triste e sem ação.


Eu ainda faço Arte, a que eu acredito mas me pergunto...até quando vou conseguir fazer? Até quando minha arte poderá de fato fazer a diferença e não cair nas "políticas públicas" e no "tapinha nas costas"? Até quando vou seguir correndo, estudando, fazendo mil coisas pela arte que acredito valha a pena. Tudo parece escuro...tudo parece um pouco confuso. Porque se preocupar? Pra quem fazer a diferença? Anos de luta aqui no Sul foram por água abaixo com cortes e pacotes absurdos... nosso país em crise de valores total, violência crescendo, guerras e guerras eclodindo, catástrofes... é de tirar o fôlego! Parece que carregamos nas costas o peso do mundo, um mundo de trevas, de escuridão... parece um retorno a Idade Média...
Vida segue! Natal vem aí! Podemos fingir que nada está acontecendo e tirar selfies pomposas para garantir inveja alheia ou ficarmos em reflexão e oração. Sim amigos, rezar ainda é o que nos resta! Afinal só se pode juntar as mãos, quando estas estão vazias...















Eu desejo a todos um Natal reflexivo, de introspecção, que nos voltemos para dentro de nós e repensemos os nossos valores e crenças, lembremos do outro, o outro que pode ser meu vizinho, minha família, meu aluno, ou um desconhecido. Que não nos percamos de nós em primeiro lugar e saibamos estender a mão ao outro... acredito que de algum lugar do UNIVERSO alguém nos envia tolerância, luz, vida e amor para nossas almas. Feliz Natal, então...

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.