Páginas

domingo, 20 de março de 2016

Sobre ser mãe de novo...


Há exatamente um ano atrás, eu estava hospitalizada! Calma, era por um bom motivo, cesária marcada para a chegada de Helena. Desde do dia que soube estar grávida eu sabia que devia focar em tudo sair bem e ser forte. Trabalhei até a meia noite do dia que antecedeu a chegada dela com teatro, uma semana depois já estava de volta trabalhando. Não, não queria provar nada a ninguém , só estava bem demais para ficar em casa, sem fazer nada.
Sentada com minha madrinha que me acompanha sempre em momentos cruciais, no corredor do hospital, ouvia os gritos de uma mãe em trabalho de parto. Algo meio perturbador para se ouvir tão cedo. Logo me chamaram para colocar o soro, fiquei num quarto com mais cinco mamães, elas tinham dor por causa da cesária, uma o marido tinha que ajudar a sentar e ela se contorcia de dor. Outra chorava porque tinha passado a anestesia e doía sua cabeça. Uma cena de filme de terror para alguns, eu observava e buscava ficar tranquila. Aquilo não era novidade, há 13 anos atrás eu já tinha passado por tudo aquilo e tinha me saído muito bem, obrigada! Desta vez não seria diferente!
A moça do parto normal, aquela que gritava, atrasou a minha cesária que acabou sendo feita, passava do meio dia. Sim, fiquei a manhã inteira no hospital sentada em uma cama, esperando, logo eu, que tenho pavor de esperar.
Tão logo fui chamada, anestesiada, chegou meu médico. Conhecido da outra cesária, sim, o mesmo...conversamos sobre teatro, tudo foi muito rápido e logo Helena estava em meus braços, miúda, sujinha e chorona. Fomos encaminhadas a uma sala para "descansar". Ela nos meus braços mamando e eu bem longe de descansar, minha cabeça a mil, olhava cada canto do quarto, tinha um homem ao meu lado que também descansava. Pensava em cenas de filme de terror, se ele fosse um psicopata, se levantasse...mas nada ocorreu. Passado algum tempo fomos para o quarto, dividimos ele com outras mamães e seus barulhentos bebês. Todas as mamães com seus supostos maridos, alguns jovens demais, inexperientes e um, apenas um, extremamente carinhoso e feliz. Os homens definitivamente não foram feitos para a "maternidade". O pai da Helena, por escolha minha, não estava comigo, estava e continua em outro país. Falávamos todo dia, mas sempre soube que na hora "H" seria tudo comigo, foi assim da outra vez e olha que o pai da Ísis é bem presente.
Na mesma noite já fui sozinha ao banheiro, algumas mulheres ficaram apavoradas de como eu não sentia dor e já andava sozinha. Pensava "foco queridas","a mente comanda o corpo". Uma noite sem dormir, duas...e assim foi...e é...Helena jamais me atrapalhou em nada, não parei com a  vida, ela se adaptou a minha.
Uma criança saudável, iluminada, sorridente e tranquila. Esperta! Vivemos bem, seguimos e hoje ela completa um ano...um ano em que muito aconteceu na vidinha dela e na minha...
Mudanças, provações, descobertas, e como na música do Lulu Santos "A gente vive junto, a gente se dá bem, não desejamos mal, a quase ninguém...a gente vai a luta e conhece a dor..."
Dor, luta são palavras chaves da nossa história (minha e de Helena) porém também recheadas de muito sucesso, alegria, perseverança, amor e saúde.
Helena trouxe o melhor de mim, um melhor que há 13 anos atrás,  a Ìsis, com sua chegada, já havia começado. Sigo, eu, meu teatro, minhas meninas...seguimos muito bem, diga-se de passagem...
O pai da Helena? Todo dia quer saber dela, sem dúvida a ama muito e tenho certeza, se pudesse e eu quisesse estaria conosco. Mas a vida sempre sabe o que faz, e como faz. A última vez que estive no Peru, (sim Helena é 50% brasileira, 50% peruana) sonhei com um bebê no meu colo que me perguntava "está pronta para mim agora?" e eu respondia "agora estou". Era ela, que já estava pronta há muito tempo...
E hoje comemoramos seu um aninho entre família, amigos e dindos...Festa com tema de borboletas para lembrar que a vida precisa passar por longas e silenciosas metamorfoses, festa com teatro de bonecos (Cia Goliardos) para lembrar que ela sempre permeia nosso caminho...
Vida a vida, vida o amor, viva a minha linda Helena!!




Nenhum comentário:

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.